Uma breve conversa sobre Malaquias

Image for post
Image for post
Foto de Mick Haupt em Unsplash

A realidade da ação profética, em Israel e Judá, não era uma realidade de glórias e vitórias; pelo contrário, era mais de confrontação e proclamação. Os profetas foram levantados por Deus para deslocar, confrontar e rememorar ao povo quem é o Senhor de Israel e Judá. A direção apontada, geralmente, era contrária àquela em que o povo estava caminhando. A confrontação se dava, principalmente, no que diz respeito às questões sociais e morais. A rememoração era, sempre, a respeito do que Deus fez por seu povo no passado. Ninguém gosta que lhe digam que está errado, que o que faz prejudica a si mesmo e os outros, que é um ingrato com sua história. Só por aí, é possível compreender como os profetas não eram nada queridos.

O livro do profeta Malaquias é uma grande incógnita no que diz respeito à sua autoria. O termo hebraico מַלְאָכִי — mal’aky significa “meu mensageiro”. Não é nada extraordinário não sabermos da autoria do texto. O Targum (comentários, traduções e paráfrases da Bíblia Hebraica em Aramaico) aponta para Esdras como autor. Mais tarde, São Jeronimo também vai repetir tal apontamento. Séculos mais tarde, o teólogo russo Alexander von Bulmerincq vai apontar que o mensageiro é Esdras, mas a redação foi de um de seus ajudantes. Podemos, então, propor que a autoria seja mesmo de Esdras? Não dá, pois temos alguns conflitos no estilo redacional e em questões, como na atitude diante dos levitas.

O estilo redacional e a forma que a proficiência é colocada como um livro de fatos de Malaquias, porque ele foi considerado como integrante do livro de Zacarias, como um terceiro texto profético adicionado e que, posteriormente, por conta da redação final dos livros proféticos, foi separada novamente como unidade à parte. Este conjunto de dados foi criado, na leitura de Malaquias, um nome estilo autoral, diferente de Zacarias, que apresenta estilos variados de escrita.

Se pouco sabemos do autor, podemos dizer que sabemos o suficiente do tempo em que foi escrito o texto. Malaquias se encontra no século V aC, portanto, pós-exílio. O cenário que envolve a texto é desolador. A indiferença do povoado chegou ao extremo. Como já houve profecias não cumpridas, um ponto de vista do amor, direito e até mesmo de seu interesse por Judá. Tal situação leva o culto a Javé e a ética do povo para níveis baixíssimos. Todo este cenário é colocado no século V, antes de serem implementadas e implementadas por Esdras e Neemias. Há alguns dados no texto que confirmam uma datação do século V a.C. tem sido reconstruída, o culto acontecia, mesmo que precariamente, era estrutura do templo organizada com os sacerdotes e levitas. A datação em V a.C. nos ajuda a compreender também a influência de Deuteronômio na profecia de Malaquias. Outro aspecto importante é a menção ao governador em 1.8, fazendo referência aos textos, mostrando já a importância do assédio de um Judá, o que faz com que as questões regulamentares de casamento e a oferta de trabalho.

Por toda a história

De que maneira nos amou? a pergunta feita pelo profeta surge diante da afirmação de Senhor de que ele sempre amou seu povo. A resposta é uma sentença que pode não ser muito clara para nós, mas, para o contexto de reconstrução de Jerusalém no pós-exílio fazia todo o sentido. Amei seu antepassado Jacó, mas rejeitei o irmão dele, Esaú. A história dos dois irmãos, gêmeos, é muita luta durante toda a vida. Apenas no final Jacó e Esaú se reconciliaram, mas, mesmo essa reconciliação entre eles não serviu de exemplo para que seus descendentes deixassem de guerrear. Os edomitas, povo de Edom e descendentes de Esaú, eram inimigos de Israel, o povo Deus e descendentes de Jacó. As palavras de Malaquias nos revelam que os edomitas estavam em uma situação complicada. De fato, mais anos mais tardes morreram por completo varridos da face da terra, sendo preferidos por serem cada vez menores. Mas as palavras do profeta também nos revelam uma outra realidade. Ao afirmar que Deus amou Jacó, Malaquias está mostrando os que estão por aí desde o início da história dos tributos de Israel eles são amados e têm cuidado por Deus, portanto, não há por quê que o Senhor os abandonou.

Acima das adversidades

Israel estava destruída, arrasada pela dominação e o povo estava voltando do exílio. Ciro, em 538 a.C., decretara o fim do exílio. O ouvir Malaquias dizer que Deus preferiu Jacó a Esaú, o povo entendeu que Deus preferiu Israel a Edom. Mas como, se Edom estava bem e Israel arrasada? O que Malaquias falou é o que as Jeremias havia dito dois séculos antes. Jeremias 9.11 registra: Farei de Jerusalém um monte de ruínas; será morada de chacais. As cidades de Judá são abandonadas, e ninguém viverá nelas, diz o SENHOR. Ruínas e chacais em Jeremias, Deserto e Chacais em Malaquias. O profeta Malaquias está apontando para uma palavra profética anterior para mostrar que o escândalo e o aproveitamento que Edom fez com Judá iria ser submetido à justiça de Deus. Como isto aconteceria? Pedras do Senhor dos Exércitos, que é um título de Deus que enfatiza seu poder invencível. Malaquias é o profeta que faz mais uso, proporcionalmente, este título, para se referir ao Senhor dos Exércitos. O juízo viria e o glória da sua contribuição sobre a justiça, mas é uma ação séria sobre toda a terra. Deus está acima de nossas adversidades.

Concluindo

Malaquias inicia sua profecia nos mostrando que Deus nos ama, sempre nos amou. O Deus que é eterno, possuí a eternidade em suas mãos, em sua forma de existir e de se relacionar conosco. Nós pertencemos a Deus, ele nos fez, em Cristo Jesus, seu povo, não há razão para temer as adversidades. Basta olhar para a história, diz Malaquias, eu preferi Jacó a Esaú, para se ver como o amor de Deus é enorme. Eu sempre amei vocês. O que Deus está dizendo é: fiz uma aliança com vocês no passado, as circunstâncias mudaram, mas eu não mudei, o que prometi no passado, cumpro no presente e cumprirei no futuro. Não há razão para temer as ruínas de Jerusalém nem a desolação da terra de Judá, no retorno do exílio, confie e se apeguem ao fato de que eu sempre amei vocês. Examine a história, lembre os poderosos feitos e mantenha a esperança e a fé no Senhor que vos chamou para a aliança eterna de salvação.

Written by

💻 Escritor | ✝️ Pastor | 🖥️ Design | Mais informações: https://cafecomalecrim.com.br

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store