Igreja Sacramental

Giovanni Alecrim
5 min readJan 19, 2024

Um ensaio sobre o Batismo e a Santa Ceia como eixo direcionador das ações da Igreja

Igreja Sacramental

O nome pode soar estranho, mas não é nenhuma invenção. A Igreja Sacramental não é uma reprodutora de sacramentos num modo automático e contínuo. Não é simplesmente uma questão de como, e/ou quantas vezes, ministram-se os sacramentos; é uma questão de saber se os sacramentos moldam ou não quem somos.

O modelo de comunidades formadas com base nos sacramentos é uma realidade nos EUA. Podemos citar¹ a All Saints Presbyterian Church, em Austin, Texas, EUA e a Redeemer Anglican Church in Asheville, North Carolina, EUA, como exemplos, dentre tantos outros.

É preciso pontuar que não queremos abraçar os modelos litúrgicos, teológicos e eclesiológicos destas comunidades, mas, antes, observar a ênfase sacramental como um meio de viver a Igreja.

Não estamos falando de um modelo litúrgico, ou de uma eclesiologia meramente litúrgica tradicional, mas de uma recuperação da essência das comunidades cristãs.

Por influência dos movimentos evangélicos do último século, muito se perdeu sobre o significado e importância dos sacramentos na vida da Igreja Reformada no Brasil.

Enquanto a esmagadora maioria dos evangélicos encaram a Ceia e o Batismo como ritos e símbolos, ordenança e memorial, a Igreja Reformada tem uma interpretação diferente.

Sacramentos são sinais visíveis da graça de Deus, meios de graça pelos quais o Sagrado se comunica com a humanidade. Quando pensamos numa Igreja Sacramental, pensamos em uma comunidade que enfatiza a vivência equilibrada dos sacramentos.

Tal definição não surge do vazio, mas do mandamento deixado por Jesus em Mateus 28.18–20 (grifo pessoal)

¹⁸Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo:
— Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra. ¹⁹Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ²⁰ensinando-os a guardar todas as coisas que tenho ordenado a vocês. E eis que estou com vocês todos os dias até o fim dos tempos.

É a partir da vivência do mandamento que surge a prática sacramental. Uma leitura atenta dos evangelhos que tratam do ide nos revelam que o batismo é consequência do ir e fazer discípulos. A consequência do batismo é o ensino. Fazer discípulos é o agir do Espírito Santo na vida da pessoa, trazendo-a para a comunidade como fruto do nosso ir. O ensino é consequência pós-batismo. É o comprometimento comunitário para com o que se converte e se torna discípulo de Jesus.

Em Atos 2.42–47 temos a expressão clara da consequência desta vivência da ação missionária dos primeiros cristãos (grifo pessoal)

⁴²E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações. ⁴³Em cada alma havia temor; e muitos prodígios e sinais eram feitos por meio dos apóstolos. ⁴⁴Todos os que criam estavam juntos e tinham tudo em comum. ⁴⁵Vendiam as suas propriedades e bens, distribuindo o produto entre todos, à medida que alguém tinha necessidade. ⁴⁶Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, ⁴⁷louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, o Senhor lhes acrescentava, dia a dia, os que iam sendo salvos.

A vivência do ide culminou numa comunidade com características marcantes, entre elas, por duas vezes o texto cita o partir do pão. A perseverança é a marca de uma comunidade que ensina e vive o Evangelho. No que ela persevera? Na doutrina, no partir do pão, na comunhão e na generosidade. A consequência é que o Senhor acrescenta os que iam sendo salvos.

O modelo sacramental não se resume apenas à prática litúrgica dos sacramentos, mas principalmente na construção de uma vivência com base nos sacramentos como os dois eixos de vida e ensino.

No eixo do Batismo ensinamos a respeito da vida com Cristo, capacitamos os crentes com fim de fortalecer a fé e estimular o surgimento de líderes, engajamos e potencializamos o compromisso de cada crente com a missão e experimentamos o crescimento dado pelo Senhor.

No eixo da Ceia integramos as pessoas na comunidade, potencializamos a comunhão com Deus e com a comunidade, estimulamos o congraçamento, estimulamos o fortalecimento das relações interpessoais e celebramos com alegria a vitória da vida sobre a morte até que Jesus venha. Maranata!

O modelo sacramental é profundamente missionário e comunitário, buscando a vivência constante dos sacramentos no dia a dia da comunidade, experimentando o aumento da comunhão na Ceia e o crescimento no Batismo.

Aplicação

Como este modelo se materializa? Na prática, como aplicamos os eixos na comunidade?

Partindo dos que se juntam à caminhada da comunidade, inicia-se o discipulado na visão do modelo. Como dito anteriormente, não é nenhuma invenção, é a aplicação do modelo apostólico de Atos 2.

O ensino do grupo base na visão do Reino é fundamental para a formação da comunidade. Por isso, o ensino pessoal e comunitário se torna o principal meio de tornar a comunidade sacramental.

O ensino pessoal se dá por meio de encontros pessoais de discipulado bíblico, visando o fortalecimento da fé e do relacionamento. Perpassando os textos do Sermão do Monte, das ações diaconais e missionais de Jesus, mostra-se o caráter do Reino e como o Evangelho é fundamento de vida para cada indivíduo.

O ensino comunitário se dá por meio das mensagens pregadas no culto, enfatizando a necessidade de proclamar o evangelho e construir uma cultura de relacionamento com Deus e a comunidade.

Os cultos devem ser celebrações contagiantes e alegres, focadas no eixo Batismo e Ceia, tendo na mensagem o ensino do evangelho e na celebração da ceia o momento de alegria e congraçamento.

Note que não se faz menção a modelo litúrgico algum, pois acredito que a liturgia de uma comunidade nasce da própria comunidade, com orientação pastoral e desenvolvimento de uma consciência de que o Batismo é o reflexo de nossa ação missionária e perseverança na doutrina e partir do pão. Portanto, uma Igreja Sacramental é profundamente missionária!

A aplicação do modelo sacramental é a vivência do discipulado com a ênfase na vivência dos sacramentos como meio de graça e de vida da Igreja.

¹Conforme informações recebida de terceiros.

--

--