Cristão na rede

O meu testemunho virtual reflete o que Cristo me diz para viver?

Uma das maiores utilidades do Twitter e Facebook será provar, no Último Dia, que a falta de oração não era por falta de tempo. John Piper

Poder, pode! Mas…

As redes sociais surgiram, segundo os pesquisadores, em meados da década de 1990 e nos anos 2000 ganham força e público. Hoje, é difícil que alguém que tenha acesso à internet não tenha pelo menos um perfil em alguma rede social.

Tenho encontrado muitos crentes que afirmam “Chamaram minha atenção por eu ter publicado uma coisa na internet. Que absurdo! O perfil é meu e eu publico mesmo!” Numa primeira leitura, não há nada de errado nessa frase. Numa segunda leitura, se a pessoa além de crente, se diz cristã e frequentadora de uma Igreja, tem muita coisa errada nessa frase.

Na época do Apóstolo Paulo não existiam redes sociais, mas havia algo que era fundamental para o cristianismo: o testemunho. Assim, quando escreve sobre a sensualidade e a necessidade de se ter santidade quanto ao corpo, Paulo enfatiza um ditado usado comum naqueles dias, em 1Coríntios 6.12–13. Mais para frente, em sua carta, ao tratar da liberdade cristã, Paulo retoma o ditado. Em ambas as situações, Paulo amplia o significado do mesmo, acrescentando-lhe uma sentença por meio de uma conjunção coordenativa adversativa:

“Tudo é permitido”, mas nem tudo convém. “Tudo é permitido”, mas nem tudo edifica. Ninguém deve buscar o seu próprio bem, mas sim o dos outros. (1Coríntios 10.23–24)

Enfatizo aqui a sentença “Tudo é permitido”, mas nem tudo edifica. O comentário da Bíblia de Aplicação Pessoal nos ajuda a entender melhor o que devemos reter texto:

Às vezes, é difícil saber quando devemos condescender com um crente fraco. Paulo forneceu uma regra simples para nos ajudar a tomar a decisão correta: devemos ser sensíveis e benevolentes. Embora algumas ações possam não estar totalmente erradas, elas podem não representar o melhor interesse dos outros. Embora tenhamos liberdade em Cristo, não devemos exercitá-la à custa de magoar um irmão ou irmã em Cristo. Não devemos considerar apenas a nós mesmos; devemos ser sensíveis para com os outros. (Bíblia de Aplicação Pessoal, Editora CPAD, 2003, p.1598)

O que Paulo nos recomenda é pensar duas vezes antes de falar, publicar ou divulgar o que quer que seja. Pode parecer bom, pode parecer lícito, é um direito seu, mas nem sempre edifica o corpo de Cristo.

Ao se tornar membro de uma Igreja, você tem direitos e deveres. Todos se encontram na constituição e no estatuto. Todos têm fundamentação bíblica. Sendo membro de uma Igreja, você tem a responsabilidade e o dever de zelar pelo testemunho cristão, honrando o nome de Cristo e fazendo todo o possível para alcançar seu parente, amigo, colega, vizinho, enfim, as pessoas que você conhece, com a mensagem do Evangelho. Não à toa, Paulo encerra esta seção, que fala a respeito da liberdade do cristão, com um conhecido versículo:

Tornem-se meus imitadores, como eu o sou de Cristo. (1Coríntios 11.1)

Paulo chama para si a responsabilidade de ser um modelo para se seguir, mas adiciona a conjunção subordinativa causal para mostrar quem é o seu modelo. O que ele diz, em outras palavras é “olhem para mim e como eu vivo, comparem com a vida de Cristo, ele é o modelo maior”. O argumento de Paulo, para mostrar aos coríntios a vontade de Deus, é válido para nós hoje. Você teria legitimidade para dizer o que Paulo disse? Em outras palavras, ao olhar para sua vida, seu testemunho e o que você faz — inclusive nas redes sociais — você tem segurança em dizer que é um discípulo de Jesus, apesar de seus erros? Antes de sair por aí compartilhando, publicando, falando e discutindo pelas redes sociais, avalie bem qual o valor disso tudo para o Reino de Deus, pois devemos fazer tudo para a glória dele, sem ser motivo de tropeço — atrapalhar -ninguém.

Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus. Não se tornem motivo de tropeço, nem para judeus, nem para gregos, nem para a igreja de Deus. (1Coríntios 10.31–32)

Written by

💻 Escritor | ✝️ Pastor | 🖥️ Design | Mais informações: https://cafecomalecrim.com.br

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store